Julgamentos

Resolvi escrever sobre um tema batido e pré-histórico. Que, infelizmente, faz parte do nosso dia a dia, às vezes necessário, dependendo do contexto.

Uma avalanche de críticas a tudo e a todos...

Ainda mais hoje em dia, em tempos de internet bombando a todo vapor e exposição máxima. O julgamento.

Na minha humilde opinião, quem muito julga o outro, quem muito faz análises psicológicas, quem define as pessoas em cima de verdades que não conhece é o que mais precisa de ajuda. Posso dar um espelho de presente com o maior prazer.

Porque o que mais criticamos nos outros é o que mais incomoda em nós! Nem tudo na vida precisa de análises eternas. Aceitar o outro é aceitar a si mesmo e quem perde tempo nessas análises deve ter uma vida muito sem sentido e graça... Solitários.

Vivemos numa era onde tudo é comparação, onde a grama do vizinho sempre é a mais verde e melhor. Onde padrões de estética são introduzidos (até eu que trabalho nessa área, me canso e me perco no real).

Quem define isso?

E por que mesmo não aceitando devemos seguir?

Por que pessoas que estão fora da medida determinada não são atraentes?

Quem define isso?

Para mim beleza é relativo, o que vale é o conjunto em si, o brilho no olho, a atitude o jeito de andar, o sorriso no abraço.

Certas pessoas almejam ter o carro do ano, a casa do ano, o cachorro do ano, a roupa do ano, mas o que ela oferece para o ano todo e as pessoas que a rodeiam?

Gente que olha torto se tem um casal de meninos...

O amor está em toda a parte e em todas as formas, não existem regras.

Gente que não te atende bem se você entra numa loja "chic" só porque você está de

Havaianas. E se aquela pessoa é mais um legado do Onassis? Aparências...

E se não for ninguém? Por que tem que ter título e ser tratada de forma diferente?

Comportamentos gerados em cima do que é ser “in” ou “out”... Gente que não olha no olho quando conversa, gente que tem aperto de mão flácido, gente que está na mesma festa que você, cumprimenta a todos mas te passa porque "nunca te viu", mas está no mesmo ambiente de amigos de amigos...

Ok. Ninguém tem que sair abraçando árvores e beijando geral, mas educação é primordial, isso não te faz mais "in", te faz um completo boçal sem educação. Eu mesma estou julgando aqui esses comportamentos.

Gosto de gente que abre porta para o outro, ajuda com pacotes, deixa passar quem precisa e sorri na rua para desconhecidos. Gente assim brilha.

Vejo catástrofes geradas pelo julgamento.

Vejo oportunidades desperdiçadas.

Vejo pessoas cinzas andando pela rua.

Onde tudo poderia ser colorido e depende apenas do que deixamos para trás... O lirismo. No arco-íris estão todas as cores, no céu estão dezenas de estrelas, constelações de todos os tamanhos e belezas, no mundo várias etnias, idiomas e somos um só.

O sangue pulsa vermelho dentro de todos nós e somos um só. Homem, mulher e somos um só. Amava aquelas antigas publicidades da Benetton, onde todos estavam lá... Independente de suas escolhas, cor, credo... Era UNITED.

E é assim que devemos ser: respeitando sempre o próximo, a verdade do outro, o universo do outro, porque no final somos um só.

Que todos caminhem de mãos dadas.

-

Daniela Spallanzani, diretora de agência, agente de fotógrafo e blogueira Contextual.

#DanielaSpallanzani

* Este é um espaço de diálogos e discussões e não serão aceitos comentários desrespeitosos e ofensivos, em qualquer aspecto.*