Amor ou paixão?

souvenir-516824_1920.jpg

Em tempos em que a palavra amor é empregada tão levemente quanto o sexo foi alçado à condição de banal, parece que mais e mais as pessoas que nos são referência minguam e se tornam tal qual ouro. O estímulo à busca por prazer e satisfação pessoal tão imediatos quanto egoístas parecem levar cada vez mais a uma confusão que só cresce com respeito à diferença entre amor e paixão.

Lá se vão alguns anos. Jamais vi uma definição tão verdadeira, tanto em palavras, como em vida, quanto ao que venha a ser o amor como naquele dia. Era uma tarde quente de janeiro, próximo ao início da noite, quando um senhor alto e muito forte para seus 87 anos, virou-se de supetão pra mim e disse: "Ah, como eu amo esta velhinha!". Na ocasião, tratava-se de sua esposa, companheira de vida por mais de seis décadas. Já não havia mais traços de beleza externa, tanto quanto não existiam resquícios quaisquer de saúde naquela que um dia fora uma atraente garota. Ao invés, haviam rugas, rugas e anos. No entanto, o que teria levado aquele senhor a declarar de maneira tão espontânea quanto carinhosa o que sentia ali?

Durante mais de seis décadas a vida daquele casal se iniciava com aquele homem madrugando para ler a Bíblia e orar por um tempo. Ao final do período, ele se dirigia à cozinha para preparar um café coado à sua maneira sob o cheiro do qual sua companheira despertava. Todos os dias o rito se repetia, ainda que tudo ao redor pudesse mudar de tempos em tempos.

Estávamos ali, na ante-sala de uma UTI aguardando por nosso horário para a visita a sua esposa, já enferma, em vias de chegar ao óbito, quando ouvi essa declaração. Apesar das circunstâncias, a cada visita o mesmo sorriso alegre no rosto, ansioso pelo encontro de sua amada. Não importavam os aparelhos, a aparência, nem tampouco a situação: a mesma expressão de alegria invariavelmente despertava ao vê-la ali. Era incrível! E foi nesse mesmo dia, enquanto esperávamos por mais um desses momentos tão especiais que de súbito ouvi dele, alguém de poucas palavras quanto a certas áreas, algo além, que me marcou profundamente:

"Filho, você sabe o que é amor? Amor não é o que leva duas pessoas a se casarem. Isso é paixão. Amor é algo que nasce com o tempo, surge de algum lugar dentro e cresce 'devagarinho', mas sem parar. Ele cresce e cresce até ficar maior do que você, ao ponto de um dia fazer com que o seu coração não bata mais aqui, mas bata ali dentro, no peito daquela pessoa. Isso é amor".

Saudade de você, Vozão. Muita.

-

Bruno Frossard, e blogueiro Contextual, um curioso inquieto sobre temas que passeiam pela formalidade da política, a ortodoxia da economia e singularidade da fé.

#BrunoFrossard