Agruras da criação

“Escrever é um ato de coragem”, diz o escritor Milton Hatoum. Acessar o documento Word sem anotações ou dar de cara com uma folha de papel em branco assusta muita gente que quer ser escritor. Mas, por que isso ocorre?

Há muitas explicações para a dificuldade na escrita. Fala-se no bloqueio mental, na falta de inspiração, na dificuldade de manter uma rotina e até mesmo na escassez de talento. Talvez seja também a dificuldade de achar a sua voz interior, seu jeito de conversar consigo mesmo e com o mundo – seu futuro leitor.

É o que ocorre com Gabriel Lisboa, personagem central de Contar Tudo (Alfaguara, 2013) do escritor peruano Jeremías Gamboa. O personagem, um jovem jornalista, sonha se tornar escritor, porém esbarra na dificuldade de criar. Ele vê seus amigos lançarem livros e tenta escrever seu primeiro romance. Decide, então, abandonar – mais de uma vez – empregos na área de comunicação para se dedicar à atividade de autor. Contudo, não consegue escrever um parágrafo sequer.

Durante a narrativa, Lisboa justifica a dificuldade para escrever na ausência de uma rotina e na tentativa de imitar um estilo literário. Após viver conflitos existenciais, o protagonista do livro admite suas fraquezas e, enfim, encontra sua forma de contar tudo e escreve seu primeiro romance.

De acordo com Alfredo Bosi, o processo artístico (aqui, entendido como a criação literária) é formado por três momentos: construção, conhecimento e expressão. Na construção de um texto literário é preciso organizar as ideias em uma forma e técnica. O conhecimento se dá quando o artista consegue combinar o conhecimento do mundo (mundo sentido) com o conhecimento de um outro mundo, a sua futura obra. Por fim, há o momento de exprimir o que foi produzido. As palavras devem ser escolhidas sabendo que elas já possuem significações prévias.

O escritor iniciante deve, portanto, tomar a iniciativa e trabalhar duro. A transpiração bate bola com a inspiração em todo o processo criativo. Ter uma boa bagagem cultural e identificar situações do cotidiano são fundamentais no início de qualquer trabalho literário.

-

Leonardo Gusmão é estudante de Direito e Jornalismo, curioso e amante das artes e blogueiro Contextual.

#LeonardoGusmão