Adapte-se


Não há algo mais incrível na essência do ser humano do que a habilidade de se adaptar. As pessoas se moldam física e psiquicamente às mais diversas situações, tanto em relação ao meio que as cerca, como às questões de caráter emocional que lhe são impostas.

Para exemplificar a parte física, se pode citar a forma como nós, humanos, nos enquadramos a qualquer tipo de clima do nosso planeta. Temos desde esquimós habitando o Ártico, até beduínos transpassando o Saara. Note-se que os animais que vivem nestas áreas tiveram profundas alterações genéticas para garantir a sobrevivência, enquanto nós nos adaptamos sem qualquer alteração corporal,em nível darwiniano.

Na seara mental, podemos transformar um raquítico professor de ensino colegial em um musculoso atirador de elite que, nem por um segundo, hesitará em eliminar um alvo de idade adolescente. Isto com apenas alguns meses de treinamento militar. O poder de se amoldar mentalmente a um estado psicológico desfavorável é de tamanha grandeza que um refém se habitua ao seu cárcere, com o passar do tempo, passando a aceitá-lo como seu lar. O sequestrado passa até mesmo a admirar e amar quem o subjugou. Chama-se, na psicologia, de Síndrome de Estocolmo.

Esta mágica adaptadora do corpo e da mente é visível, comprovada e sabida por todos. A grande questão não é esta, mas sim que subestimamos ou desprezamos este dom durante toda a vida, quando poderíamos usá-lo a nosso favor.

Quantos de nós se foram sem ter aprendido a tocar um instrumento? Quantos mais sem ter se dedicado a um esporte? Em que número os que não buscaram felicidade em outra cidade ou país? Todos aniquilaram estas vivências por se acharem incapazes de iniciá-las, ou sequer chegaram a pensar sobre a possibilidade do alcance. A todo momento ouvimos frases como “não levo jeito para isto”, “não gosto disto” e “eu sou deste jeito e não vou mudar”. Mas em verdade não experimentamos a mudança, não pusemos a teste as nossas habilidades e não tentamos alterar a nossa forma de ser.

Frases de cunho negativo, direcionadas ao que podemos ser ou fazer, são formas de adormecer o nosso poder de se adaptar e conseguir. Pessoas percebem as suas falhas de comportamento e, em vez de combatê-las, as reafirmam e até se orgulham de possuí-las. “Eu sou ciumenta mesmo. Nasci e vou morrer assim”. “Eu não tenho paciência para ignorância não!”. “Não consigo nem ouvir falar deste assunto que já fico nervoso”. O pensamento e o comportamento podem ser moldados a todo tempo, durante a vida toda, e, ignorar esta aptidão, é um contrassenso.

"Tudo é questão de estudo e paciência: não há dificuldade que a pertinácia não vença". Olavo Bilac assim retratou, com maestria, o objeto deste texto. Aceitar as pessoas como elas são; se transformar em alguém melhor; facilitar o convívio com a família, os amigos, com os maridos e esposas; praticar fotografia, culinária, artes plásticas e paraquedismo. Seja um hobby, um esporte, um pensamento, uma profissão ou uma arte, podemos e devemos aprimorar sentimentos e habilidades para, assim, honrarmos a vida e os dons que nos foram dados.

Os sonhos, as mudanças e as realizações estão logo ali, à espera por seus desejos.

-

Robert Andrade. Blogueiro Contextual. Da advocacia um atuante, da engenharia um estudante, da marcenaria um hobista, do mar um surfista e da vida um amante.

#RobertAndrade

* Este é um espaço de diálogos e discussões e não serão aceitos comentários desrespeitosos e ofensivos, em qualquer aspecto.*