#SomosTodosCorruptos

Um idiota. É como me senti ao ouvir em tom de tamanha naturalidade e deboche a gravação com a confissão de uma série de crimes da boca de um senador da República em exercício.

Com o passar dos minutos ouvindo a voz desse ilustre senador meu estômago parecia se remexer em compasso cada vez mais ritmado com minha mente me acusando aos brados por dentro de idiota por ainda primar por ser honesto.

O mundo virou de ponta-cabeça. O que aprendi em casa já não parece valer. Melhor é ser bandido com terno. Isso sim compensa. Dá dinheiro! E não é pouco. Ainda mais se falar o que os outros querem ouvir e tiver os amigos certos...

A quanto tempo esse bandido corrupto faz isso? Onde chegou? Quanto já roubou? Quantos são seus pares ali? São exceção ou realmente são a regra?

A cada dia que passa, mais sujeira vêm à tona. Mais gente de "reputação ilibada" é desmascarada. Nossos heróis estão morrendo! Alguns ainda sorriem, sob o manto da impunidade, mas ao menos o mito que criaram desvanece a cada dia.

Não importam partidos. Não importam aspirações e preferências. Pára tudo! Pára o ônibus! Se ainda não chegamos ao ponto final, ao menos eu quero descer.

Se dói um bocado a perda da pureza que se esvai junto a cada herói morto, que ao menos nos asseguremos que que as mudanças que precisamos não estão somente nas pessoas, mas no que as criou e permitiu que se perpetuassem até aqui.

Ou mudamos tudo - e logo - ou descobriremos sermos coniventes com todo esse mar de lama. Basta! Hora de acordar.

-

Bruno Frossard, e blogueiro Contextual, um curioso inquieto sobre temas que passeiam pela formalidade da política, a ortodoxia da economia e singularidade da fé.

#BrunoFrossard