As páginas

Se a vida fosse um livro, os dias seriam páginas. Uns começam com linda brochura, capa grossa, letras douradas, mas a leitura não é boa. Outros com a capa rasgadinha, sem cor, mas dentro uma grata surpresa. As páginas, os encontros. Algumas inexpressivas, outras marcantes. Umas com gosto de sorvete, outras amargas. Algumas tóxicas, outras fortificantes.

Umas tão lindas e tão desconfortáveis quanto um beijo embaixo d'água. Outras tão surpreendentemente boas quanto um beijo roubado.

Algumas supervalorizamos, outras subestimamos. Umas nos surpreendem e outras nos decepcionam. Às vezes a mesma surpreende e decepciona. Umas são uma introdução de capítulo, outras o início de um fim.

Algumas de poesia, outras de nostalgia. Umas de documentário, outras contos de fadas.

Em algumas páginas achamos que era o fim, mas era o começo. Em outras achamos que era o começo e era o fim. E em algumas o fim nem era o fim, era um recomeço de algo que parecia acabado.

Algumas tão difíceis e pesadas de virar como paredes de concreto. E destas, algumas que deixam sangue na ponta dos dedos e seu gosto ruim na ponta da língua.

Umas são tão estranhas como plumas de cimento. Não sabemos o que é ou o que esperar e, quando escolhemos o que queremos dela, geralmente erramos na escolha.

Algumas tão encharcadas de lágrimas que quase rasgam na hora de virar e ainda deixam salgadas as que virão.

Umas são de suspense e de terror, outras de prazer e de amor. Algumas delas com os mesmos personagens.

Mas todas estão sempre juntas e seqüenciais. Algumas vezes voltamos. Às vezes nos arrependemos e outras vezes comemoramos. Às vezes voltamos para ler e sentir, relembrar. Outras vezes para rasgar com violência e indecência.

O que importa é que são páginas. E que por todas elas passaremos, por mais que às vezes achemos que não.

Lembramos das primeiras mas não sabemos quais serão as últimas. Mas são só nossas e mais de ninguém.

Viremos ou desviremos, os encontros e desencontros são simplesmente páginas.

-

Rômulo Lunelli, desfragmentador de pensamentos e devaneios, procurador federal, compositor e músico por paixão e blogueiro Contextual.

#RômuloLunelli