Amar: verbo que não se conjuga quando recebemos um não


Um dia você ama, no outro você perde quem ama... De qualquer forma você é rejeitado e se sente terrivelmente desamparado. Shakespeare já escreveu que o amor é uma criança que deseja tudo o que vê. O céu é o limite para quem ama e a medida do amor é amar sem medida mesmo. O amor é uma urgência psíquica, calcula as horas por meses, os dias por anos e cada pequena ausência é uma eternidade (John Dryden). A frustração é tão longa e dura, assim como a expectativa e a felicidade em si. Quando se está feliz espera-se cada vez mais e cria-se uma demanda psíquica imensurável. Mesmo feliz sempre se tem a sombra do não e dos revezes.

A verdade é que em um relacionamento ambos devem estar dispostos e abertos, o que é, realmente, um encontro cósmico. Lutar pelo amor é bom, mas alcançá-lo sem luta é melhor (W. Shakeaspeare). Além de abertos, ambos devem estar atentos às necessidades do eu de cada um e isso pode ser difícil de se avaliar ou até mesmo difícil de satisfazer em alguns casos. A grande e triste verdade é que se o outro estiver fechado por um motivo qualquer, ninguém pode abri-lo, só ele mesmo; a insistência neste tipo de pessoa pode gerar um resistência dolorosa e minar qualquer amizade ou relacionamento futuro. Além disso, se suas necessidades forem muito maiores do que o outro pode ou está disposto a dar, é preciso entender que alguns dias de choro podem poupar inúmeros dias de infelicidade e frustração. Cada um tem seus limites e devemos entender e respeitar os limites do outro, embora seja extremamente doloroso constatar isso e chegar a esta conclusão nada simples. O amor não se define nem permite que se julgue quem está deixando uma relação ou nem mesmo deixando que se abra espaço para a mesma. A pessoa que sai ou foge de um envolvimento pode estar muito ferida também. O amor começa quando uma pessoa se sente só e termina quando uma pessoa deseja estar só (L Tolstoi). Desejar estar só ou desejar não amar no momento pode ter um monte de motivos e nenhum pode estar relacionado a você diretamente. Lembre-se nesta hora de Frida Khalo: “onde não há amor não te demores”. Em uma simplicidade quase infantil isto é não tente caber onde não tem espaço, a vida é um sopro e você deve seguir em frente se está aberto e o outro não.

Outra grande verdade nessa arte de conjugar o verbo intransitivo amar é que demonstrar sua fragilidade, por maior que ela seja, é um tiro no pé... Ninguém quer cuidar de ninguém; as pessoas querem pessoas inteiras e prontas para uma partilha, uma troca... Gente pela metade está sempre pedindo para ser carregada e isto ninguém quer. Procure pessoas felizes e inteiras; saia para conversar e ouvir... Volte a ser você antes de ir à luta de novo.

Não tentar ficar explicando, pedindo desculpas, discutindo o fim que já está decretado com a pessoa que já foi... Para que explicar? Desculpas por que? Discutir o que? O que foi já passou é tudo é autoexplicativo nesta hora. Desculpas demais... Afinal do que você quer se desculpar? Se você errou certamente a outra pessoa errou muito também. Quando se fala em emoções, erramos, falhamos e queremos ficar falando para os outros incessantemente o que queremos dizer para nós mesmos. Aceite você mesmo o que aconteceu, desculpe você mesmo e deixe que a vida siga. Mas devo avisar a você que, em termos de amor, irá errar muitas e muitas vezes e ninguém sabe a verdade. Se ninguém sabe a verdade, ninguém pode por o dedo em seu nariz e te criticar ou dizer quantas vezes vai errar. Seja sempre autêntico e, se errar, já sabe: olhe para você, cure-se e siga em frente.

Se você acha que não deve tentar mais, que acabou, que basta... Sinto em informar que os grandes vencedores na vida não foram os que conseguiram e sim os que tentaram muito e fracassaram muito. A escritora inglesa J K Rowling, por exemplo, escreveu o romance “Harry Potter” em uma viagem de trem de 4 horas, quando as “(...) idéias brotaram de seu coração e sua mente (...)” segundo a mesma, em 1990, porém somente em 1996 uma editor aceitou a publicação da pedra filosofal do romance por 3 mil libras, publicado somente em no ano seguinte. Porém, antes do primeiro manuscrito ser aceito em 1996, oito editoras o rejeitaram… Isso é a história dos vencedores e a vida é assim mesmo: cheia de nãos. Muitas pessoas erradas vão vir e seja paciente com elas e com você. Você terá que superar os nãos para sua história vingar.

Bukowski afirmou: “O amor é para os que aguentam a sobrecarga psíquica...” Pode ser, mas não se intimide. Na falta desse auto-controle, você vai amar do mesmo jeito, apenas vai ter uns surtinhos a mais, vai superar e sobreviver prontinho para o próximo amor. Não precisa ser tão equilibrado e certinho assim para amar nem para viver. Ame do seu jeito e faça as coisas ridículas que derem na sua cabeça. Quem te amar vai ver a beleza de alguém amando do seu jeito, fora qualquer convenção imposta por não sei quem… Alguém inventou que mulher não corre atrás; depois inventou que esta mulher tem que esperar o homem ligar sei lá quantos mil minutos; depois inventou que o homem da relação deve chamar a menina para sair; inventaram quantas vezes deve-se esperar para transar e como você deve se comportar na etiqueta do amor. A cartilha amorosa do boca a boca não passa de uma grande besteira. Seja ridiculamente você. A visão de quem ama é diferente; permita-se ser feliz vendo um mundo melhor e sonhando um pouco, pois amar é bom. Ficar tentando ser uma outra pessoa é um desperdício da pessoa que você é.

Por fim, não idealize amar. Não idealize um relacionamento. Amar não é aceitar tudo (como disse Maiakóvski : “onde se aceita tudo desconfio que há falta de amor”) nem ceder o tempo inteiro. Relacionar-se não é simples e existem momentos da vida que é realmente mais simples não ter relacionamentos.

A maior verdade interior que você deve ter é que somos todos parte de um gênero humano muito complexo e na hora H lembre da frase de J Donne "... E por isso não perguntes por quem os sinos dobram... Eles dobram por ti!" Você é sempre a pessoa mais importante e central de tudo seja qual for o seu status.

-----

Marina Baitello - médica apaixonada pelo comportamento humano e pela vida, sabendo que a vida é um mutirão de todos e que viver é sempre deliciosamente perigoso.

#MarinaBaitello

* Este é um espaço de diálogos e discussões e não serão aceitos comentários desrespeitosos e ofensivos, em qualquer aspecto.*