Dez camas

Se eu tivesse dez camas agora pra deitar

Saberia quais corpos iria descansar

Botaria meus dez, um a um, para dormir

Ô sorte que eu tenho em existir!

É que a vida nos dá de presente

Coisas, aplausos, saúde, sossego e patente

Mas a vida não sabe, mas sente

Que a melhor coisa da vida é ganhar gente!

Gente que trabalha, gente que sorri, gente que se engasga, as que já não vivem aqui...

Povo que rala, batalha, se espalha, que gosta de onde mora,

Tem corpo que voa, e alma que chora.

E todos outros aqueles que cismam em fincar os pés no chão,

Mas gente que acima do amor não coloca a razão.

A vida sorri pra gente se abrir

A um encontro que faz a gente subir

Com gente que tem sede por nova história

E que quando a vida balança, em gente se apoia.

Se eu tivesse dez camas agora pra deitar

Saberia quais corpos iria descansar

O relógio me aponta as horas achando que é tarde,

Mas achar companheiros pra vida nunca teve idade.

---

Alice Demier é diretora audiovisual, compositora, mãe do Vicente, escritora nas horas vagas (ou nas mais tumultuadas) e blogueira Contextual

#AliceDemier

* Este é um espaço de diálogos e discussões e não serão aceitos comentários desrespeitosos e ofensivos, em qualquer aspecto.*