META AMOR FOSSE


Marca infinita na asa da borboleta Deixou sua letra Criou um planeta Rompeu o muro Ruiu a ponte Invadiu o quadrante Tirou do chão Venceu o não Tomou a posse Trocou o caminho Mas num rompante O olhar mudou Deitou na pedra Voou no vento Beijou a flor E agora o que lhe resta É pensamento Tinta bonita Rastro de cor Pra desenhar Um outro traço Marcar o compasso Redescoberta Roda da vida Girar moinho Fluir com amor

----

Erica Sakaki, blogueira Contextual, vinhólatra, mãe, oficial de justiça, leitora compulsiva, apaixonada por gente, pela vida e pelas voltas que ela (sempre) dá.