poli


Espiei para fora mirando a lua. 23:33 no relógio da cabeceira. Uma brisa suave me fez um carinho. Não é comum em Jequié, essa época do ano. Na Cidade do Sol, tudo é quente: mentes, corações, pele, poros, desejos, verdades e mistérios... E eu... ah, minhas costas estão molhadas!

Um cachorro late na casa vizinha, tem som de porta batendo e alguém assobia na calçada. São ruídos comuns na noite de uma cidade adormecendo. Desviei os olhos e a curiosidade deu de cara com uma janela iluminada. Ali, bem na frente. Espio.

Ela puxa os óculos que escorregaram para a ponta do nariz, franze a testa e fita o teto numa pausa, como quem procura resposta. Sempre com leituras difíceis e aquele ar indecifrável que "desmonta" a gente na hora. Ela nem desconfia o quanto sou sua fã. Ah, adoro seu ar atrevido, os cabelos curtos, a tatuagem nas costas. A voz tem ritmo diferente, soa melódica, ousada, tem um quê de musical. Sensual. Essa menina sabe das coisas. Cheia de opinião sobre tudo, alguns posicionamentos defende exaltada, certa do que pensa, plena do que acredita. De formas pequenas, corpo quase-criança, nessas horas ela cresce, vira gigante. Fala com paixão. O olho da platéia brilha e meu coração perde o compasso dentro do peito, galopando apressado. Bem querer, encanto, fascinação me tomam inteiro... Ah, ela é poli, ela é mega, ela é maxi... Múltipla em tudo o que está. Inteira, brilhante, girante... infinita. Encanto, inteligência poesia e prosa, texto e fala. Silêncio.

Barulho. Poli transborda. Poliatitude.

Suspiro.

Ela levanta e apaga a luz para acender as estrelas. Fecha a vidraça.

Tudo o que eu mais quero é outra e outra noite dessas em que, a magia, invejosa da realidade, de malandragem com o acaso, ainda que de longe, ainda que invisível, no limite do impossível, nos mantenha interligados. Poliatravessa, poliarrebenta os cadeados, os portões cerrados e os muros fechados do meu sonho teimoso.

-----

Erica Sakaki, blogueira Contextual, vinhólatra, mãe, oficial de justiça, leitora compulsiva, apaixonada por gente, pela vida e pelas voltas que ela (sempre) dá.

#EricaSakaki

* Este é um espaço de diálogos e discussões e não serão aceitos comentários desrespeitosos e ofensivos, em qualquer aspecto.*